Skip to main content

Leituras de piXação em São Paulo

Livro de Alexandre Barbosa Pereira, pela EdUFSCar, aborda a prática cultural da pixação

Alexandre Barbosa Pereira

A Editora da Universidade Federal de São Carlos (EdUFSCar) está lançando o livro “Um rolê pela cidade de riscos: leituras de piXação em São Paulo” (assim mesmo, com X), de autoria de Alexandre Barbosa Pereira, e que integra a Coleção Marginália de Estudos Urbanos e conta com o apoio do Centro de Estudos da Metrópole (CEM).

O livro trata de uma pesquisa feita pelo autor sobre a pixação, no início dos anos 2000 e defendida como mestrado em 2003, mas que continuou acompanhando os desdobramentos da prática até meados dessa segunda década do século XXI. Na obra, a pixação é abordada como uma prática cultural juvenil protagonizada por jovens, ou por indivíduos já não tão mais jovens assim, que são fundamentalmente rapazes pobres, moradores de bairros periféricos da cidade de São Paulo. Leia+Mais→

História dos bombeiros de São Paulo

Com mais de 300 imagens, “Éramos Vinte” traça paralelo entre o crescimento da capital e a trajetória da instituição mais admirada pela população, criada em 1880

Éramos VinteCom a credibilidade de uma das instituições nacionais mais admiradas, respeitadas e confiáveis pelos brasileiros, o Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo lança hoje, 29 de novembro, às 19hs, no Hall Monumental da Assembleia Legislativa de São Paulo, o livro “Éramos Vinte – A História do Corpo de Bombeiros de São Paulo”, com textos da jornalista Tânia Galluzzi e realização da editora Gramani e Ministério da Cultura. Leia+Mais→

Sob o Signo da Lua

De dois em dois anos, no calor do Verão, rumam à raia milhares de pessoas de todos os países e culturas. Juntam-se no Boom Festival, com uma sensualidade psicodélica ao som da música trance

Valter Vinagre

Valter Vinagre acompanhou esses encontros mágicos, retratando o lugar e os seus habitantes, as suas construções, desejos e sonhos. Este livro fixa a convulsão desses momentos numa ordem possível, propondo a redescoberta dos olhares e dos corpos num outro espaço e tempo. Os textos de António Guerreiro e Joaquim Moreno decodificam as imagens e a organização hermética do livro, oferecendo a quem os lê alguns fios para se perderem e encontrarem nos labirintos da imaginação. Leia+Mais→

Vale tudo menos tirar olhos

Associação Ether / vale tudo menos tirar olhos marcou a cultura fotográfica em Portugal nas décadas de 1980 e 1990

O livro, um requintado volume com mais de trezentas páginas, conta a história da associação cultural Ether/vale tudo menos tirar olhos, cuja actividade ficou indelevelmente associada à galeria de exposições de fotografia que funcionou em Lisboa entre 1982 e 1994. A Ether foi um espaço fulcral na consolidação da fotografia portuguesa, abrindo espaço a novas gerações de fotógrafos, assim como construindo a história da fotografia em Portugal que ainda estava por inventar.Leia mais Leia+Mais→

Registro de uma vivência de Lucio Costa

Registro de uma vivência é o testemunho da figura-chave da arquitetura moderna brasileira

Lucio Costa

Com seleção do próprio autor, reúne textos, depoimentos, cartas, desenhos, croquis, projetos e fotografias que cobrem toda a trajetória de Lucio Costa.

Lucio Costa atuou decisivamente na grande revolução cultural que tem início com a Semana de Arte Moderna de 1922, fazendo a ponte entre Le Corbusier, Walter Gropius, Frank Lloyd Wright e Mies van der Rohe, pioneiros que conheceu pessoalmente, e brasileiros em começo de carreira que se agregaram à sua volta como Oscar Niemeyer, Affonso Eduardo Reidy, Carlos Leão, Jorge Moreira e Ernani Vasconcellos. Leia+Mais→

Antonio Candido 100 anos

Coletânea homenageia mestre da crítica literária, com textos de intelectuais brasileiros e estrangeiros

Antonio Candido

Este livro é uma homenagem a um dos maiores intelectuais brasileiros. Crítico literário, sociólogo e militante socialista, Antonio Candido de Mello e Souza (1918-2017) atravessou o século XX e adentrou pelo XXI inspirando sucessivas gerações. Em seus livros, aulas, conferências e atividades políticas, ele revelou o Brasil aos brasileiros, sem ufanismos nem complexos de inferioridade.

Formação da literatura brasileira (1959) e Os parceiros do Rio Bonito (1964), seu estudo sobre o modo de vida caipira, se tornaram clássicos de nascença. “Dialética da malandragem” (1970), ensaio sobre Memórias de um sargento de milícias, é considerado um marco na análise das relações entre forma literária e processo social. Com a mesma inteligência — não só excepcional, mas incansável — ele escreveu mais de vinte livros, sempre reeditados.Leia mais Leia+Mais→

Memórias da ditadura Argentina

Livro da EdUFSCar aborda regime argentino: Sangue, identidade e verdade: memórias sobre o passado ditatorial na Argentina

Para trazer luz a um passado não tão distante na América Latina, pessoas que tiveram parentes desaparecidos na ditadura da Argentina (1976-1983) se organizaram em coletivos e assumiram a responsabilidade de esclarecer parte dessa história. Elas são o mote do livro “Sangue, Identidade e Verdade – Memórias sobre o passado ditatorial da Argentina”, de autoria de Liliana Sanjurjo e que está sendo lançado pela Editora da Universidade Federal de São Carlos (EdUFSCar). Leia+Mais→

Situando Jane Jacobs

Livro modificou as regras do jogo das cidades em todo o mundo / Por Renato Cymbalista

Jane Jacobs

Se tivéssemos que eleger um único livro que representasse a historia recente do urbanismo no Ocidente, possivelmente a escolha recairia sobre Morte e Vida de Grandes Cidades, publicado em 1961.

Jane Jacobs não foi a única nem a primeira voz crítica ao urbanismo modernista arrasa-quarteirão que prevaleceu nas décadas de 1940 e 1950, mas o seu livro atingiu em cheio a opinião pública e apoiou a construção de um senso comum crítico dos grandes projetos de renovação urbana e valorizador dos tecidos urbanos historicamente constituídos.Leia mais Leia+Mais→