16/02 – O evento terá convidados de diversos países que irão discutir a ideia do direito à cidade nas metrópoles contemporâneas.

direito à cidade

Abertura acontece dia 16.02, no SESC Pompeia. Gratuito. Vagas Limitadas. Consolidado como um dos mais significativos eventos realizados pela Escola da Cidade – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, o Seminário Internacional chega à sua 14° edição com o tema “Ainda o Direito à Cidade?”.

Anualmente, durante uma semana, convidados nacionais e internacionais de prestígio da área de arquitetura e urbanismo participam de debates, workshops e dinâmicas que envolvem estudantes, professores e público interessado em debater temas contemporâneos da área.

O evento deste ano acontece de 16 a 23 de fevereiro, na sede da Escola da Cidade e nas unidades do SESC Pompeia, Consolação e 24 de Maio. A abertura, com entrada livre, contará com um debate dos arquitetos organizadores do evento, abordando projetos e reflexões relacionados ao tema central do Seminário. Todas as palestras são abertas ao público com vagas limitadas. Inscrições e mais informações estão disponíveis no site da Escola da Cidade (www.ec.edu.br).

A 14ª edição do Seminário Internacional pretende discutir a ideia do direito à cidade em nossas cidades contemporâneas, 50 anos depois de o conceito ter sido evocado pela primeira vez pelo filósofo Henri Lefebvre, em seu livro ‘Le Droit à la ville’ (1968).

Na América Latina e no Brasil essas discussões ganharam corpo nas décadas de 1970 e 1980, em plena ditadura militar. O conceito foi amplamente aceito e, atualmente, figura tanto na Constituição Federal, quanto no Estatuto da Cidade.

Formalmente, o direito à cidade está assegurado. A realidade, no entanto, resiste a incorporar o conceito que carece, urgentemente, de alguma aplicação prática.

Desafios – Frente a essa realidade urbana tão descolada da cidade sonhada, o Seminário lança o desafio de conceber estratégias e projetos inclusivos, integradores e efetivos, que sejam capazes de conduzir a sociedade a conquistas concretas para as cidades e seus habitantes. Alguns dos desafios que deverão pautar o Seminário são:

• Refletir sobre o direito à cidade, a partir das ocupações contemporâneas;
• Fomentar uma discussão multidisciplinar acerca do tema;
• Incluir diferentes agentes e atores urbanos na discussão;
• Desenvolver propostas e projetos;
• Devolutiva: apresentação dos trabalhos para a comunidade;
• Editar publicação dos trabalhos.

O Seminário Internacional é realizado em parceria pela Escola da Cidade, Sesc São Paulo e Arq.Futuro.

Convidados Internacionais

José Abásolo Llaría (Chile, 1975) é arquiteto e mestre em arquitetura (etsaB-UPC). Em 2004 fundou a Labase Architecture & Urbanism em Kabul-Afeganistão. Entre 2008 e 2012, ele integrou a URBZ, trabalhando em Mumbai, Nova Delhi e São Paulo. Em 2010 fundou a ariztiaLAB, que desenvolve um modelo de produção, ligado à cidade e à cultura contemporânea, baseado em práticas coletivas de trabalho, com diferentes atores, grupos e comunidades. Esta produção está orientada para a construção de instâncias de criação, pesquisa e divulgação de projetos para rearticular e fortalecer a esfera cívica. Desenvolveu uma carreira docente em diferentes universidades, como a UDLA, a Universidade de Talca e a Universidade Finis Terrae. Participou de seminários e conferências na Ásia, Europa e América Latina.

Mario Fernando Camargo Gómez (Colômbia, 1982) é arquiteto e professor universitário graduado com mérito pela Faculdade de Arquitetura da Universidad del Valle. Desde 2008 participa e venceu diferentes concursos nacionais e internacionais de arquitetura. Como profissional, desenvolveu, coordenou, construiu e dirigiu projetos no campo do design urbano, arquitetônico e paisagístico. Desde 2012, dirige sua própria oficina em parceria com o arquiteto Luis Orlando Tombé, COLECTIVO720.

Gabriel Visconti Stopello (Venezuela, 1978) é um arquiteto com estudos em design e inovação social. Dirige o AGA estudio, uma equipe focada em associar práticas e ferramentas dos domínios das ciências aplicadas ao fenômeno urbano, como uma estrutura colaborativa a fim de fornecer alternativas a partir do conhecimento e da experiência com foco no desenvolvimento de linhas de pesquisa de ação aplicadas a práticas humanas, objetos e território.

Elisa Vendemini (Itália, 1990) graduou-se com honras pela Università Iuav de Veneza (2016), com uma tese de pós-graduação sobre a reconstrução da cidade de Aleppo – assentamento informal. O projeto de tese foi desenvolvido com mais pesquisas sobre a restauração do núcleo histórico com uma atribuição por Aga Khan Trust for Culture. Nos últimos anos, Elisa trabalhou com a equipe de pesquisa “Enraizamento Informal” analisando a estrutura urbana de quatro favelas do Rio de Janeiro. A pesquisa foi exibida em uma publicação e várias exposições. Atualmente, está trabalhando para a Universidade Americana de Beirute em um projeto de pesquisa sobre cidades desérticas no norte da África e arquitetura de terra.

Michael Koch (Alemanha, 1950) é arquiteto, urbanista e professor de urbanismo e planejamento distrital (na HCU Hamburg www.hcu-hamburg.de até 2018). Depois de seus estudos em Hannover, ele foi co-fundador da firma de arquitetura agsta e hoje é sócio da arquitetura do z urbanismo amarelo (Zurique, Berlim, www.yellowz.net). Antes de trabalhar na HCU, ele foi professor de planejamento urbano e urbanismo na Bergische Universität Wuppertal, professor visitante em várias universidades e pesquisador na ETH Zurich, onde obteve seu PhD. Seus projetos, ensino e pesquisa operam na interface de arquitetura, urbanismo e planejamento urbano. Ele é membro de vários conselhos consultivos na Alemanha e na Suíça.

Michele Di Marco (Itália, 1987) é arquiteto com mestrado em Gestão de Desastres com mais de 6 anos de experiência no setor humanitário e de desenvolvimento. É diretor da EAHR Emergency Architeture & Human Rights, uma organização internacional sem fins lucrativos com sede em Copenhague, Roma e Santiago do Chile. Nos últimos seis anos, Di Marco esteve envolvido em operações humanitárias e de desenvolvimento na América do Sul, na região do MENA e na Ásia. Além de estar envolvido em vários projetos de pesquisa relacionados com o setor humanitário, Di Marco leciona na pós-graduação Emergency & Resilience na University of Venice IUAV, com palestras em outras universidades ao redor do mundo. Está atualmente supervisionando um projeto de reassentamento na América do Sul, reconstrução de instalações educacionais no Nepal, Jordânia e Líbano, além de desenvolver um projeto de pesquisa sobre a reconstrução da Síria.

Beatriz Coeffé (Chile, 1990) é arquiteta formada pela Universidade do Chile, com diploma em Design Editorial pela mesma universidade (2016). Ela terminou recentemente seu mestrado em Artes e Gestão Cultural no King’s College de Londres, onde estudou os vínculos entre a arquitetura brutalista, a memória e as novas mídias. É especialista em gestão de projetos de promoção de arquitetura e participa ativamente do Grupo Arquitectura Caliente colaborando com a organização de concursos, workshops e seminários. Coordenou a primeira oficina de estudantes de graduação da XIX Bienal de Arquitetura e Urbanismo do Chile, a oficina ‘Le Corbusier 50 anos’ realizada em Iquique, Valparaíso, Santiago, Concepción e Puerto Montt e a exposição ‘Le Corbusier e América do Sul’ na Museu de Arte Contemporânea de Santiago do Chile. Foi gerente de projetos e desenvolvimento cultural da Associação de Arquitetos do Chile, formulando e gerenciando projetos como a 20ª Bienal de Arquitetura e a turnê nacional do Prêmio Nacional do Arquiteto Edward Rojas. Atualmente é coordenadora de atividades e comunicação da Escola de Arquitetura da Universidade de San Sebastian, Co-curadora da XXI Bienal de Arquitetura e Urbanismo 2019 e Diretora Executiva do estudo “National Center of Architecture”.

Paul Devenish (África do Sul, 1988) é um arquiteto baseado em Joanesburgo, África do Sul. Graduou-se com mestrado na Universidade de Pretória em 2012 e atualmente é associado na 26’10 South Architects. Em 2017, participou na montagem o currículo para a Unidade 16 da NXXT CITY, um curso de nível mestrado realizado na GSA da Universidade de Johannesburgo focado na pesquisa de habitação e no ambiente urbano dos subúrbios da cidade do leste de Johannesburgo. Em 2017, esteve envolvido como parceiro de pesquisa e crítico convidado na ETH de Zurique. Seu projeto de mestrado integrou um corpo colaborativo de investigação entre a Universidade de Pretória, a Universidade Eduardo Mondlane (Maputo) e a TU-Delft e fez parte da exposição “Maputopia” 2012, Maputo.

André Czitrom (1983) é formado em Engenharia Civil pelo Mackenzie e pós-graduado em História da Arte pela Faap. Desde os 17 anos trabalha no setor de Construção Civil, iniciando a trajetória como auxiliar administrativo na Gafisa. Fundou em 2008 a Sanay Desenvolvimento Imobiliário e, em 2016, tornou-se sócio da MagikJC, um empresa com 45 anos de história 150 empreendimentos e que, desde 2009, constrói empreendimentos do Minha Casa Minha Vida. A partir de 2016 o foco da empresa passou a ser os projetos MCMV no Centro de São Paulo; etapa que já conta com cinco empreendimentos em obras, e outros cinco em fase de aprovação, totalizando 1.500 unidades. A MagikJc é a única empresa brasileira deste setor Certificada pelo SistemaB; um certificado global que reconhece o Impacto Positivo das companhias na sociedade. Em todos esses anos, Andre foi responsável direto na Incorporação de mais de 60 empreendimentos imobiliários na cidade de São Paulo. É ainda fundador e gestor do acervo CSC, que incentiva a produção de jovens artistas plásticos brasileiros com pouco acesso ao mercado da arte.

Danilo Camargo Igliori é professor Doutor do Departamento de Economia da FEA/USP, onde atua na graduação e na pós-graduação, lecionando cursos na área de Economia Espacial, Meio Ambiente e Recursos Naturais, e Análise e Elaboração de Projetos. Danilo é PhD pela Universidade de Cambridge, onde lecionou no Department of Land Economy, de 2004 a 2011, e no Adam Smith Fellow in Political Economy, do Pembroke College ,entre 2009 e 2011. Atualmente continua ligado à Universidade de Cambridge como Senior Research Associate do Centre for Rising Powers e Associate do Department of Land Economy. É também Fellow da Regional Studies Association. Tem diversas publicações no Brasil e no exterior incluindo os livros Economia dos Clusters Industriais e Desenvolvimento (2001) e Spatial Economics of Conservation and Development: Topics on Land Use Change in the Brazilian Amazon (2009). É co-editor da revista Spatial Economic Analysis. Realizou trabalhos de consultoria para o setor privado, governos (no Brasil e Reino Unido) e organismos internacionais (Banco Mundial, Banco Interamericano de Desenvolvimento). Na década de 90 trabalhou como analista no Unibanco e como auditor interno da Vale.

Anat Litwin (EUA, 1974) é artista, curadora, pesquisadora, fundadora do Projeto HomeBase (2006-2016, NYC-Berlin-Jerusalem-Saitama), co-fundadora da residência LABA, 14StreetY, NYC, e Beita – centro de arte social na cidade, em Jerusalém. Obteve a bolsa Andy Warhol 2013 para pesquisa curatorial com foco em artistas urbanos futuros. Doutoranda no Departamento de Planejamento Urbano, Technion ITT. HomeBase Project (HB), um programa de residência e pesquisa nômade que opera no eixo arte contemporânea – inovação – mudança urbana, e já foi exposto em diferentes plataformas, incluindo o Technion, (2018) Museu Um el Fahem (2016), Saitama Triennale (2015/2016), Fórum Microresidency (2012, 2014, 2015), Res Artis Tokyo (2012), Wander Simpósio, Den Hague (2012), Guggenheim Lab (2012), Volta Art Show NY & Basel (2010 e 2011). As obras de Anat Litwin já foram exibidas em uma variedade de galerias e espaços de arte alternativa em Nova York, Milão, Tóquio, Berlim e Tel Aviv.

Mediadores / Comissão Organizadora

Francisco Fanucci Arquiteto pela FAU USP/1977 é sócio fundador do escritório Brasil Arquitetura, onde realiza vários projetos com premiações no Brasil e exterior. É autor de numerosos projetos de mobiliário em madeira, pela Marcenaria Baraúna.Professor de projeto da Escola da Cidade, em São Paulo desde sua fundação, em 2002. Desde 2015 é co-coordenador do Estudio Vertical. Apresentou exposição de projetos selecionados no Tokyo Art Museum (2008), Centro Universitário Maria Antonia (2009), Museo Andersen, Roma (2009), Casartac, Turim (2010), Ensa Paris-Malaquais, Paris (2010) e Bienal Panamericana de Quito, Quito (2010). Publicou “Francisco Fanucci & Marcelo Ferraz – Brasil Arquitetura” editora Cosac Naify em 2005 e “Marcenaria Baraúna – móvel como arquitetura”, editora Olhares em 2017.

Maira Rios (1977) Arquiteta e Urbanista formada, em 2001, pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP), onde concluiu o mestrado em Projeto de Arquitetura, em 2013. Professora do curso de Graduação da Escola da Cidade, desde 2003. Membro do Conselho de Científico da Escola da Cidade. Coordenadora do curso de Pós-Graduação da Escola da Cidade “Arquitetura, Educação e Sociedade”, desde 2014. Trabalhou como arquiteta no escritório Eduardo de Almeida arquitetos associados (2001-2005) e foi sócia do escritório B Arquitetos (2004-2018) junto a Paulo Emilio Buarque Ferreira e Felipe Noto.

Cesar Shundi Iawamizu – Graduação, Mestrado e Doutorado em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo FAU USP (1999, 2008 e 2015). Professor de Projeto na Escola da Cidade (2005 a 2014), Centro Universitário SENAC (2015 a 2018) e FAUUSP (2016 a 2017). Atualmente, é Professor na FAU Mackenzie (desde 2018) e Coordenador da disciplina ESTÚDIO VERTICAL na Escola da Cidade (desde 2015). Titular dos escritórios Estudio 6 (1999 a 2008) e SIAA (2008 até o presente momento).

Vinicius Andrade – Arquiteto e Urbanista, formado pela FAUSP, em 1992. Sócio-fundador do escritório Andrade Morettin Arquitetos Associados, desde 1997. Leciona na Escola da Cidade, em São Paulo, desde 2005, é responsável pelo curso executivo Inovação Urbana: novas formas de fazer Cidade – INSPER, desde 2017. Conselheiro no CAU-SP, integrante da Comissão de Ensino e Formação. Membro do Conselho Cientifico, responsável pela curadoria do 27º. Congresso Mundial de Arquitetos – UIA 2020.

Tomas Alvim é editor e sócio da BEI Editora, cofundador do Arq.Futuro e do Por Quê? Economês em Bom Português.

Fernanda Barbara – Arquiteta pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. É professora associada da Escola da Cidade, onde atualmente é assessora executiva e coordenadora da Plataforma Plus, um laboratório sobre habitação em parceria com o arquiteto Frédéric Druot. Participou de seminários e proferiu palestras em cidades como Chicago, Paris, Porto, Lisboa, Querétaro, Santiago, Montevidéu e diversas cidades brasileiras. É sócia fundadora do escritório Una Arquitetos que recebeu diversos prêmios e participou de eventos nacionais e internacionais (tendo exposto em três edições da Bienal de Veneza).

José Guilherme Pereira Leite é professor, crítico e ensaísta. Doutorando em Filosofia (FFLCH-USP), estudou Economia (FEA-USP), graduou-se em Ciências Sociais (FFLCH-USP) e pós graduou-se em Arquitetura e Urbanismo (FAU-USP). É conselheiro pedagógico e coordenador do Seminário de Cultura e Realidade Contemporânea da Escola da Cidade. Coordenou diversos projetos para o Ministério da Cultura (2006-2012), foi colunista do Yahoo! Brasil (2011-2013) e co-curador da X Bienal de Arquitetura de São Paulo (2013). Escreve regularmente para jornais e revistas diversos.

Programação:
SEMINARIO INTERNACIONAL 2019

• Fevereiro, 16 – sábado
11h – Abertura – Debate inaugural – SESC Pompéia
José Guilherme Pereira Leite (Escola da Cidade)
Vinicius Andrade – Andrade Morettin Arquitetos Associados
Fernanda Barbara – UNA Arquitetos
Francisco Fanucci – Brasil Arquitetura
Cesar Shundi – SIAA Arquitetos
Mediação: Maira Rios

• Fevereiro, 18 – segunda-feira
14h – Workshop – Escola da Cidade
18h – Abertura Exposição Estúdio Vertical e lançamento do Catálogo – Escola da Cidade

• Fevereiro, 19 – terça-feira
14h – Workshop – Escola da Cidade
18h – Palestras professores convidados – SESC Consolação | ESPAÇO PÚBLICO E OCUPAÇÃO
José Abásolo – ariztiaLAB, Santiago, Chile
Gabriel Visconti – AGA Estudio, Venezuela/Colômbia
Mediação: Maira Rios

• Fevereiro, 20 – quarta-feira
10h – Palestras professores convidados – Escola da Cidade | MERCADO E OCUPAÇÃO
Danilo Camargo Igliori – FEA-USP
André Czitron – Magikjc Empreendimentos Imobiliários
Mediação: Tomas Alvim
14h – Workshop – Escola da Cidade
18h – Palestras professores convidados – SESC Consolação | MEMÓRIA E OCUPAÇÃO
Beatriz Coeffé – Chile
Paul Devendish – 26’10″South Architects, Joanesburgo, Africa do Sul
Mediação: Francisco Fanucci

• Fevereiro, 21 – quinta-feira
14h – Workshop – Escola da Cidade
18h – Palestras professores convidados – SESC 24 de Maio | EDUCAÇÃO E OCUPAÇÃO
Michael Koch – Haffen City Universitat, Hamburgo, Alemanha
Mario Camargo – Coletivo 720, Cali, Colômbia
Mediação: Shundi Iwamisu

• Fevereiro, 22 – sexta-feira
14:00 – Workshop – Escola da Cidade
18:00 – Palestras professores convidados – SESC 24 de Maio | CULTURA E OCUPAÇÃO
Anat Litwin – Projeto HomeBase, EUA
Michele Di Marco – Itália
Mediação: Vinicius Andrade

• Fevereiro, 23 – sábado
10h – Apresentação dos trabalhos do workshop – Escola da Cidade
13h – Festa de Encerramento – Escola da Cidade
Gratuito. Todas as palestras são abertas ao público com vagas limitadas.

Inscrições e mais informações: www.ec.edu.br

Contato:
Escola da Cidade
(11) 3258-8108
http://www.escoladacidade.org/